Em luta contra racismo, Mercedes inova e troca prata pelo preto em carro para 2020

A Mercedes não é mais prata: o carro fica preto para a temporada 2020 (Foto: Mercedes)


A Mercedes surpreendeu o mundo do esporte. Em gesto que demonstra apoio total à luta contra o racismo, liderada na Fórmula 1 por Lewis Hamilton, a escuderia hexacampeã do mundo vai deixar a tradicional cor prata pelo preto no novo W11 para a temporada 2020.


A Mercedes sempre foi o carro prateado da Fórmula 1. Sim, foi, verbo no pretérito: a equipe anunciou nesta segunda-feira (29) uma mudança arrojada em sua pintura. Para se posicionar contra o racismo e defender a diversidade, a escuderia decidiu trocar o prata pelo preto na pintura do W11.

O anúncio veio destacando que trata-se de “um compromisso para melhorar a diversidade na nossa equipe e no nosso esporte, e um sinal do comprometimento da equipe na luta contra o racismo e a discriminação em todas suas formas”.





Lewis Hamilton, que se tornou protagonista na luta antirracista, também tratou de elogiar o posicionamento da Mercedes.

“É muito importante que aproveitemos esse momento e o utilizemos para nos educar, seja você uma pessoa, marca ou empresa, para fazer mudanças realmente significativas quando se trata de garantir igualdade e inclusão”, apontou Hamilton. “Pessoalmente, vivenciei o racismo na minha vida e vi minha família e amigos vivenciando o racismo, então estou falando de coração quando apelo à mudança. Quando falei com Toto sobre as minhas esperanças em relação ao que poderíamos alcançar como equipe, disse que era muito importante que nos mantivéssemos unidos”.

“Gostaria de agradecer imensamente a Toto [Wolff, chefe de equipe] e ao Conselho da Mercedes por dedicarem tempo para ouvir, conversar e realmente entender as minhas experiências e paixões, e por fazer esta importante declaração de que estamos dispostos a mudar e melhorar o negócio. Queremos construir um legado que vai além do esporte e, se pudermos sermos os líderes e começarmos a construir mais diversidade em nosso negócio, isso vai enviar uma mensagem tão forte e vai dar aos outros a confiança necessária para começar um diálogo sobre como eles podem implementar mudança”, destacou.

Lewis Hamilton vai pilotar uma Mercedes preta em 2020 (Foto: Steve Etherington/Mercedes)

“Racismo e discriminação não têm espaço em nossa sociedade, esporte ou equipe: esta é uma crença central da Mercedes”, continuou Toto Wolff, chefe de equipe. “Mas ter as crenças e mentalidades certas não são suficiente se ficarmos em silêncio. Desejamos usar nossa voz e nossa plataforma global para nos posicionar por respeito e igualdade, e a Flecha de Prata vai correr em preto durante toda a temporada 2020 para mostrar nosso comprometimento com maior diversidade com nossa equipe e nosso esporte. Não vamos fugir de nossas fraquezas nesta área, ou do progresso que ainda devemos fazer. Nossa carenagem é uma promessa pública para se tomar uma ação positiva. Pretendemos encontrar e atrair os melhores talentos da maior variedade possível de experiências e criar caminhos confiáveis para entrarem em nosso esporte, a fim de tornar a equipe mais forte e diversificada no futuro. Gostaria também de usar essa oportunidade para agradecer a Mercedes-Benz e nossa família de parceiros que tem nos apoiado e incentivado nessa iniciativa”, seguiu.


“A Fórmula 1 é um mundo definido pela performance, mas ainda traz muitas barreiras para pessoas de origens que tradicionalmente não fazem parte do esporte”, ponderou Valtteri Bottas. “Sabemos que nossas equipes são mais fortes quando são mais representativas na sociedade da qual fazemos parte, e é importante que estejamos unidos e demonstremos nosso compromisso com a mudança. Racismo e discriminação não têm lugar no nosso esporte ou na nossa sociedade, e tenho orgulho por estar com a equipe, com Lewis e com a Mercedes-Benz em fazer esta importante declaração”, encerrou.

A mudança é arrojada pela importância história do prata para a Mercedes. A cor é utilizada desde o automobilismo pré-guerra, quando em 1934 a equipe tirou a pintura então branca para tornar seus bólidos mais leves. A moda pegou, assim como o apelido Flechas de Prata. Quase um século depois, a cor tradicional da Mercedes é substituída pelo preto para marcar a posição da montadora na luta contra o racismo.
Compartilhe on Google Plus

Postado por MARIO PINHO

0 Comments:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia