Vamos parar a China, mas vamos fazer certo

O MUNDO LIVRE deve retornar apenas à sua essência, favorável à liberdade individual, a fim de oferecer séria e sustentada competição à China.



O Partido Comunista da China reteve informações vitais. (Foto: Flickr)

"A China mentiu, as pessoas morreram"


Isso é o que muitas vozes afirmam tentar culpar o Gigante Asiático pelo caos Global causado pela propagação da doença COVID-19, e parece que o Partido Comunista da China escondeu informações vitais isso poderia ter servido ao resto da Humanidade para impedir a formação da pandemia.


Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, deu credibilidade à tese que sugere que o vírus não tem origens naturais, mas na verdade veio do Instituto de Virologia Wuhan. Outras nações e instituições, como Suécia, Austrália e União Européia, solicitaram a realização de uma investigação para determinar a verdadeira origem do vírus, gerando ameaças econômicas do regime chinês para tentar desencorajar futuras investigações.

Graças à falta de transparência por parte da China, muitos líderes de países ocidentais e de outros países asiáticos começam a questionar o estado atual das relações econômicas e diplomáticas existentes com o Estado chinês. Ações judiciais, uma nova guerra tarifária, a interrupção do pagamento de juros sobre a dívida que os Estados Unidos mantêm com a China são algumas das medidas propostas por vozes influentes para fazer com que a China repare os danos causados ​​a toda a humanidade.

Nesta ocasião, minha intenção não é apoiar ou contradizer esse conjunto de propostas, mas sim falar sobre outras medidas que parecem estar sendo deixadas de fora do debate, medidas essenciais para enfrentar uma competição séria e sustentável contra o Estado totalitário chinês.

Um deles é menos impostos: é sabido que a China atrai investimentos de Milhões de Dólares devido aos baixos custos de produção que oferece aos investidores. A adoção de uma narrativa beligerante e nacionalista não removerá os incentivos que os proprietários de capital têm para depositar seu dinheiro na China, e o estabelecimento de tarifas poderia causar autoflagelação, porque os consumidores veriam suas opções reduzidas ao comprar produtos, o que levaria a um aumento de preço ou a uma redução nos níveis de qualidade (embora eu não negue os avanços geopolíticos que o governo Trump gerou graças à guerra tarifária realizada com a China).

Um ponto importante a ser observado é que as tarifas existentes impostas contra países aliados também devem ser removidas. O Ocidente deve trabalhar em conjunto para combater a ameaça chinesa, e a imposição de tarifas contra grupos culturalmente relacionados não aponta nessa direção.

Orçamentos públicos pequenos e equilibrados: se a redução de impostos é uma prioridade, o nível de gastos públicos também deve ser reduzido. Os Estados Unidos, devido ao grande déficit orçamentário apresentado por suas finanças públicas, compartilham uma grande dívida com o gigante asiático, sendo este o principal credor entre os credores internacionais. Essa situação gera uma forte dependência entre as duas nações e limita profundamente o leque de ações que os Estados Unidos poderiam ter para combater a influência econômica chinesa. Se fosse decidido parar de pagar os juros da dívida pré-existente com a China como medida corretiva, os Estados Unidos perderiam seu principal credor estrangeiro e desencadeariam uma terrível crise orçamentária.
Para fazer isso,

Equilibrar o orçamento e mantê-lo austero também será uma garantia de que o dólar continuará sendo a moeda de reserva Mundial por muitos anos (essencial para evitar as ambições expansionistas do Gigante Asiático).

Menos Regulamentação Trabalhista e mais Liberdade contratual: Salário Mínimo obrigatório, Férias por mandato, Seguro Médico Forçado, Imobilidade Trabalhista, são medidas muito bem-intencionadas, mas altamente prejudiciais ao dinamismo da Economia. Minimizar todas essas imposições reduziria muito as barreiras à entrada de novos investidores, e esses novos investimentos criariam novos empregos que seriam ocupados por pessoas que estavam anteriormente desempregadas.

Além disso, é desejável que Funcionários e Empregadores possam negociar os termos de seus contratos o mais livremente possível, uma vez que cada pessoa tem objetivos e interesses diferentes (há funcionários que desejam menos férias por um salário mais alto, outros que já podem ter um seguro de saúde e preferiria outros benefícios). Isso é de extrema importância, pois quanto maior a liberdade contratual, maiores as chances de um investidor decidir depositar seu dinheiro em um determinado local. O Ocidente deve se tornar o mais atraente possível para os investidores, a fim de competir com a China.

Mais Fluxo Migratório: os Países que desejam competir contra a China devem permitir a entrada de todos aqueles que desejam trabalhar de maneira honesta e trabalhadora. Vale esclarecer que não estou falando de fronteiras abertas, os Estados têm a obrigação de saber quem entra e quem sai de um Território para impedir a passagem de terroristas, traficantes de drogas ou criminosos de qualquer outra natureza. Abrir caminho para a chegada de uma força de trabalho renovada pode reduzir significativamente os custos de produção, além de produzir maior eficiência entre os trabalhadores, graças à nova concorrência.

Essas são apenas algumas das muitas medidas que devem ser tomadas para reduzir os custos de Investimento em países que desejam adversamente a China e, como você verá, o MUNDO LIVRE deve retornar à sua essência apenas favorável à liberdade individual de apresentar concorrência séria e sustentada. o colosso da Ásia (ou qualquer outra força totalitária que busque ameaçar nossos atuais padrões de vida). Isso, somado a uma forte agenda geopolítica que impede a disseminação do totalitarismo pelo resto do mundo, será fundamental para preservar a supremacia dos valores ocidentais por muitos mais anos.

Jorge Galicia é advogado e porta-voz da Organização do Fundo para Estudos Americanos.




Quando começamos o PanAm Post para tentar trazer a verdade sobre a América Latina para o resto do mundo, sabíamos que seria um grande desafio. Mas fomos recompensados ​​pela incrível quantidade de suporte e feedback dos leitores que nos fizeram crescer e melhorar.
Faça parte da missão de espalhar a verdade! Ajude-nos a combater tentativas de silenciar vozes dissidentes e contribuir hoje.

PROMOVIDO
Compartilhe on Google Plus

Postado por MARIO

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia