Maduro ataca novamente empreendedores

Maduro ataca novamente empreendedores: mais intervenções e controle de preços.

O regime anunciou a intervenção de grandes empresas no país e condenou a "especulação criminal" dos empresários.

O anúncio do regime fez com que milhares de venezuelanos saíssem fazendo compras nervosas devido à possibilidade de que os produtos controlados pelo regime pudessem desaparecer novamente.

Depois de um ano em que o regime de Nicolás Maduro diminuiu gradualmente as restrições da economia, anunciou novamente a supervisão das vendas de empresas de alimentos e o controle de preços no país.

O chavista e vice-presidente ilegítimo da área econômica, Tareck El Aissami, informou que estabelecerá uma lista de preços obrigatória para 27 produtos na cesta básica, a fim de evitar especulações; No entanto, esse mesmo controle foi a causa da escassez histórica de alimentos que ocorreu no país.

Esse "plano nacional de controle para conter a especulação criminal" foi realizado em lojas, supermercados e mercados municipais com a presença de forças estaduais, explicou.

Na última sexta-feira, 27 de abril, o governo anunciou a intervenção da Alimentos Polar, a maior empresa de alimentos da Venezuela, acusada de especular, além da Plumrose, do setor de embutidos, e de um matadouro em Turmero (Aragua, região central). )

Por seu lado, as Empresas Polar alertaram para o risco de fornecer a rede comercial pública e privada atendida pela corporação, dado o aumento dos controles e as limitações impostas à distribuição de seus produtos.

O anúncio do regime fez com que milhares de venezuelanos saíssem às compras nervosamente com a possibilidade de que os produtos controlados pelo regime pudessem desaparecer novamente.


A decisão de Maduro é coberta pela Lei de Custos e Preços Justos, aprovada em 2015, mas que ele começou a ignorar, de alguma forma aliviando a escassez.


O presidente da Federação das Câmaras de Empregadores e Associações de Comércio e Produção da Venezuela (Fedecámaras), Ricardo Cussano, detalha que essa é uma lei que "é punitiva desde o início" afirmou Cussano.

"Não avançaremos um milímetro se o país retornar às fracassadas políticas de controle, confisco, perseguição e opressão de empresários"

Em comunicado, o Conselho Nacional de Comércio e Serviços (Consecomercio) indicou que essas ações "impedem a produção e não aumentam as quantidades disponíveis de bens e serviços".


Segundo a agência de notícias EFE, todas as fontes consultadas explicam que o governo retomou a lei como uma "medida enigmática", em vista do agravamento da situação econômica dos venezuelanos devido à quarentena por Covid-19, que foi adicionada à escassez de combustível e à desvalorização do bolívar.

E é que, em meio à emergência de saúde, os preços de alimentos e outros bens sofreram uma forte aceleração devido ao aumento do preço do dólar no mercado negro; bem como problemas de distribuição causados ​​por falta de combustível que tornaram os custos de transporte mais caros.

Nos últimos meses, o regime teve controle moderado de preços e câmbio, estimulando o crescimento das importações privadas, financiadas por empresários, situação que contribuiu para reduzir a escassez de alguns alimentos e bens básicos.

No entanto, na última semana, o custo de todos os bens e serviços aumentou. A escassez quase total de combustível está dificultando o transporte de alimentos nas cidades do interior do país, dificultando sua distribuição e venda; Nesta situação, protestos e saques começaram.
Socialismo encerrou mais de 500 mil empresas na Venezuela

Até 2019, Hugo Chávez e Nicolás Maduro deixaram 95% das empresas que operam na Venezuela inativas.

Entre 1998 e 2017, mais de 500.000 empresas desapareceram, segundo informações do Consecomercio.

Controles cambiais, preços, leis trabalhistas, desapropriações e ameaças são, em grande parte, as razões pelas quais o setor industrial se torna um cemitério comercial todos os dias. Acrescentam-se as dificuldades que os comerciantes têm em reabastecer seus estoques, que correm o risco de abaixar as Santamarias ao longo das horas.

Quando começamos o PanAm Post para tentar trazer a verdade sobre a América Latina para o resto do mundo, sabíamos que seria um grande desafio. Mas fomos recompensados ​​pela incrível quantidade de suporte e feedback dos leitores que nos fizeram crescer e melhorar.

Faça parte da missão de espalhar a verdade! Ajude-nos a combater tentativas de silenciar vozes dissidentes e contribuir hoje.

Compartilhe on Google Plus

Postado por MARIO

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia