Chegou o momento do grande divórcio entre EUA e China

© JIM WATSON/ AFP Presidente dos EUA, Donald Trump, e o presidente da China, Xi Jinping

Não se engane: a luta global entre Estados Unidos e China está prestes a passar para o próximo nível.

Ao desencadear um surto global de doenças, o comportamento repreensível do Partido Comunista Chinês cruzou a última linha, não deixando recursos a outros países a não ser recuar. Difícil.

Nações responsáveis não podem mais tolerar a interferência desestabilizadora do regime em todo o mundo. Após a Covid-19, haverá um novo mapa-múndi, e é assim que ele vai ficar.

Cartografia nos tempos modernos

Vamos começar com a aparência do mapa. Não haverá grandes círculos em negrito, azul e vermelho, demarcando esferas de influência e controle. Isso não é como a maioria das outras grandes competições de poder, da "Inter Caetera" à Guerra Fria.

De um lado, os EUA são uma potência global com interesses e responsabilidades globais. Washington não vai ceder nenhuma parte do mundo a Pequim. Por outro, o alcance da China é mundial. Ninguém vai parar de fazer negócios com a China, muito menos com os Estados Unidos.

A China não tem influência absoluta em nenhuma parte do mundo que não seja a Coreia do Norte e um punhado de países do Sudeste Asiático. E Pequim pode achar que não pode manter esses países sob seu controle para sempre.

Disputas sobre o rio Mekong, no sudeste da Ásia, por exemplo, podem abrir espaço para países que buscam uma linha mais independente de Pequim. Se os EUA e a Coreia do Norte algum dia chegarem a um acordo nuclear, isto também poderia quebrar o monopólio de Pequim.

A China, é claro, tem bons amigos em outros lugares. Mas as parcerias com a Rússia, Irã, Venezuela, Cuba e similares têm, na melhor das hipóteses, benefícios mínimos.

Todos esses países estão envolvidos em conflitos internos, que os deixaram politicamente e economicamente isolados de várias partes do mundo. Além de camaradagem, apoio diplomático e um pouco de comércio, eles têm pouco a oferecer um ao outro.

Principalmente, são parcerias de conveniência, não alianças estratégicas reais. Em particular, a ameaça frequentemente discutida de uma aliança entre Pequim e Moscou é exagerada.

Tampouco parece que haverá uma versão pós-Guerra Fria do "movimento não alinhado". De fato, todos os líderes tradicionais dessa causa, principalmente a Índia, parecem ocupados tentando se alinhar de uma maneira ou de outra.
Novos limites globais

A grande maioria do mundo é, e permanecerá no futuro próximo, dividida em três campos: (1) o mundo livre, resiliente à intromissão chinesa; (2) os balanceadores, nações que reconhecem a chave de sua prosperidade e segurança, tem relações com os Estados Unidos e a China, protegendo sua independência e minimizando a probabilidade de que se tornem teatros de competição entre grandes potências; e (3) o espaço contestado, onde os EUA, a China e outros competem por influência em todo o espectro das esferas econômica, política, de segurança e de informação.

O mundo livre

Este é um termo que voltará a ser bastante usado. Há uma diferença definitiva entre os Estados Unidos e o Partido Comunista Chinês. Os Estados Unidos acreditam em liberdade econômica, direitos humanos e soberania popular. O Partido Comunista Chinês, não. Os países que desejam preservar o lugar dos povos livres terão que escolher um lado - e provavelmente o farão.

EUA-Canadá-México. 

A Tríade Hemisférica é a base do Poder Americano. A prosperidade, as economias, a infraestrutura, a segurança e, como vimos agora, a saúde pública desses três países estão interligadas. Não conte com a China fazendo grandes avanços aqui.

O recém-implementado Acordo Estados Unidos-Canadá-México cimentou ainda mais as três economias. Embora as relações do presidente Donald Trump com o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, e o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, sejam frequentemente descritas como disfuncionais, na prática, a cooperação nunca foi tão boa.

Em particular, os EUA e o México implementaram uma cooperação sem precedentes em matéria de imigração e segurança de fronteiras.

Os EUA provavelmente fornecerão assistência significativa ao México na luta contra a epidemia de Covid-19. Seria pouco útil colocar as fábricas americanas em funcionamento se os fabricantes de peças dessas empresas no México fossem desativados no combate ao coronavírus.

Além disso, à medida que mais empresas americanas procuram mudar as parcerias de manufatura para fora da China, é provável que mais desses negócios sejam direcionados ao México.

Comunidade Transatlântica

Nenhuma parceria estratégica é mais importante para o mundo livre do que a Comunidade Transatlântica. Os EUA não vão desistir dessa parceria. Nem a Europa.

Se os Europeus querem manter suas liberdades, eles não podem ser observadores neutros na competição entre os EUA e China. Mesmo a Suíça não pode mais ser a Suíça.

Após a Covid-19, esperamos novos investimentos na comunidade transatlântica, não apenas para reiniciar nosso mecanismo econômico conjunto, mas para marginalizar as influências maliciosas da China.

Oriente Médio

A China nunca substituirá a influência e importância dos EUA nessa região. De qualquer forma, neste momento Washington tem a oportunidade de expandir sua influência e estabelecer uma pegada sustentável por contribuir para a paz, estabilidade e prosperidade no Grande Oriente Médio após a Covid-19. A chave para isso é criar uma arquitetura de segurança, política e econômica.

O Indo-Pacífico

Um dos desenvolvimentos positivos do surto de Covid-19 é que ele facilitou a cooperação entre o "grupo dos quatro +" na elaboração de uma resposta.

Os Estados Unidos, juntamente com Índia, Japão, Coreia do Sul, Austrália, Nova Zelândia, Vietnã e Taiwan, oferecem uma estrutura diplomática formidável para trazer paz e prosperidade a esta parte do mundo diante da influência do bullying na China.

Vida em Equilíbrio

Haverá muitos países, incluindo algumas democracias respeitáveis ​​que, por um motivo ou outro, não suportarão ou não conseguirão enfrentar Pequim. A chave para sua independência, segurança e prosperidade não será limitar a presença da China, mas envolver-se com os EUA e outros países para equilibrar a influência chinesa.

Esse é um caminho que será seguido por lugares como Singapura, Sri Lanka, Nepal, Butão, Bangladesh, Tailândia, Djibuti, Paquistão, Sérvia e outros.

A China pode não gostar de ver a presença de outras potências nesses locais, mas esses relacionamentos devem ser perfeitamente aceitáveis ​​para os Estados Unidos.

Os EUA não precisam que todos os países escolham lados. O que devemos e queremos é que esses países insistam em que - tanto para seus próprios interesses quanto para os nossos - os poderes externos sejam justos.

É por isso que, por exemplo, os EUA, o Japão e outros promovem a Rede Blue Dot, que promove projetos de infraestrutura internacional de qualidade, transparentes e economicamente viáveis.

Se é que se deve esperar alguma coisa, é que a lista desses países aumente. A Mongólia e vários países da Ásia Central estão buscando seguir nessa direção.

As regiões ártica e antártica são ambas áreas em que a China gostaria de ter muito mais influência. Isso também não vai acontecer.

Do ponto de vista econômico e ambiental, essas regiões devem permanecer áreas de cooperação aberta, não de concorrência. Os povos da região e do planeta só serão beneficiados se essas áreas permanecerem locais de cooperação mútua.

Os EUA terão que fazer parte de um esforço conjunto para conter as ambições irracionais da China. Da mesma forma, Washington terá que desempenhar um papel de liderança na proteção da Antártica.

A Zona de Competição

Os EUA e a China vão disputar sua influência em vastas áreas do mundo - América Latina, África, Ilhas do Pacífico - e também em organizações internacionais.

Os Estados Unidos têm uma vantagem em campo no hemisfério ocidental. O governo Trump fez um trabalho muito melhor em parceria com nações da América Latina e do Caribe do que muitos esperavam. Mas ainda há muito a ser feito.

Os EUA demoraram a perceber o que a China estava fazendo na África e nas ilhas do Pacífico, e Washington ainda está trabalhando nisso. O grande desafio para os EUA não é falta de vontade, mas, muitas vezes, falta de parceiros responsáveis ​​com quem trabalhar.

Em muitos casos, má governança, transparência inadequada, prestação de contas insuficiente e falta de liberdade econômica são obstáculos à formação de parcerias eficazes.

Um dos novos campos de batalha mais ativos para os EUA e a influência chinesa serão organizações internacionais. A China tem tentado progressivamente expandir sua influência sobre as principais organizações que regulam as normas globais. Os EUA estão lutando por isso também.
Esboçando o futuro

Há quem queira ignorar a concorrência com a China. Outros desejam cortar completamente os laços e depois dividir o mundo entre o nosso e o deles. Mas ambos ficarão tristemente decepcionados com o novo mapa do mundo.

O mapa apresenta muitos desafios para os EUA, mas também revela as vantagens e oportunidades significativas para o país.

Após a Covid-19, Washington precisa prestar muito mais atenção às demandas que o novo mapa mostra. Depois de colocar nossa economia em funcionamento, lidar com a China será sem dúvida o primeiro trabalho a ser feito.

*James Jay Carafano, um dos principais especialistas em desafios de segurança nacional e política externa, é vice-presidente de estudos de política externa e de defesa da Heritage Foundation, membro da E. W. Richardson e diretor do Instituto de Estudos Internacionais Kathryn e Shelby Cullom Davis.

© 2020 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.
Compartilhe on Google Plus

Postado por MARIO PINHO

0 Comments:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia