Mourão inaugura estátua de D. Pedro 1º em São Paulo

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, no dia do aniversário de 466 anos de São PauloReprodução/Facebook

Cidade completa 466 anos hoje !


O presidente interino Hamilton Mourão participou neste sábado (25.jan.2020) –dia do aniversário de 466 anos da cidade de São Paulo– da inauguração da estátua de D. Pedro 1º, no Parque da Independência, na Capital Paulista.

Em discurso no local, Mourão disse se tratar de uma “feliz oportunidade” de encontro em São Paulo “para homenagear aquele que proclamou a independência do Brasil”. Acrescentou ser “ocasião para nós brasileiros, ainda hoje, em pleno século 21, refletirmos sobre o significado do 7 de setembro para nossa história”.

Estátua de D Pedro I é inaugurada na zona sul de SP

Estátua de D Pedro I inaugurada na zona sul de São Paulo-SP


Mourão usou o momento de sua fala para comentar sobre a História do Brasil. Listou “uma sucessão de atos de grande importância” que teriam criado, segundo ele, o ambiente para a Independência.

  • a formação do primeiro ministério do Brasil, em 16 de janeiro;
  • um mês depois, a convocação de um Conselho de Procuradores Gerais, eleitos pelas Províncias;
  • a determinação de que nenhuma lei vinda de Portugal seria cumprida sem o beneplácito do Príncipe Regente;
  • a convocação de uma Assembleia Constituinte.

Eis a íntegra do discurso:

“Feliz oportunidade a de nos encontrarmos em São Paulo, quando se comemoram os 466 anos da cidade, para homenagear aquele que, em São Paulo, proclamou a Independência do Brasil.

O preito a D. Pedro é ocasião para nós brasileiros, ainda hoje, em pleno século 21, refletirmos sobre o significado do 7 de Setembro em nossa História.

Neste local, na tarde de 7 de setembro de 1822, o Príncipe D. Pedro, Regente do Reino do Brasil, retornando de Santos, encontrou o Sargento-Mor de Milícias Antonio Ramos Cordeiro e o correio Paulo Bregaro com as cartas da Princesa Real D. Leopoldina e do Ministro José Bonifácio que transmitiam graves notícias a respeito das decisões das Cortes que anulavam a autonomia do País, das ofensas despejadas sobre os deputados brasileiros em Lisboa e dos processos movidos contra o ministério do Rio de Janeiro e a junta governativa de São Paulo.

Nesse mesmo dia 7 de setembro, em Salvador, tropas brasileiras repeliam nas imediações da cidade um ataque português das forças do General Madeira de Melo que, cercadas na capital baiana, insistiam em permanecer na Bahia, mantendo-a submissa a Lisboa.

A Guerra da Independência já lavrava desde junho. Em agosto, prevendo a vinda de reforços portugueses, D. Pedro declarou que “todas e quaisquer tropas” mandadas ao Brasil sem o seu consentimento seriam “rechaçadas de armas na mão”. Tropas e navios já haviam sido despachadas do Rio de Janeiro para apoiar a luta dos patriotas no Recôncavo baiano contra a arrogância armada portuguesa.





Ao longo de 1822, a Independência tomou forma por meio de uma sucessão de atos de grande importância: 1) a formação do primeiro ministério do Brasil, em 16 de janeiro; 2) um mês depois, a convocação de um Conselho de Procuradores Gerais, eleitos pelas Províncias; 3) a determinação de que nenhuma lei vinda de Portugal seria cumprida sem o beneplácito do Príncipe Regente; 4) e a convocação de uma Assembleia Constituinte.

A situação se precipitou no mês de junho, com um levante em Recife que obrigou a Junta Provisória de governo a reconhecer a autoridade de D. Pedro e com a rebelião da Vila da Cachoeira no Recôncavo baiano.
Seguiram-se os manifestos de agosto: o dirigido aos povos do Brasil, no qual D. Pedro clamava: “Não se ouça entre nós outro grito que não seja – União! Do Amazonas ao Prata, não retumbe outro eco que não seja Independência”; e o destinados às nações amigas, “convidando-as a entrar em relações com o Brasil e enviar-lhe agentes diplomáticos”.

O Brasil se preparava para a Independência, mas parecia existir a esperança de que as Cortes portuguesas recuassem de seu projeto colonialista e, de alguma forma, reconhecessem a autonomia do Brasil.
As cartas da princesa Leopoldina mostraram que isso não era possível. Nelas se lia com toda clareza a intenção das Cortes em recolonizar o Brasil, desfazendo o governo do Príncipe Regente.

Naquele momento histórico, como registrou o Barão de Pindamonhangaba, o príncipe, alertado que se aproximava o correio, adiantou-se de sua comitiva para receber a correspondência, tomou os documentos para lê-los e mandou que sua guarda de honra seguisse meia légua adiante, para o ponto de pousada.

A hora era decisiva. Tudo o que se fizera até aquele momento, desde o Dia do Fico, estava em suspenso: o ministério, as assembleias legislativa e constituinte e as forças militares brasileiras que lutavam contra as tropas ocupantes portuguesas podiam se desfazer no cumprimento daquelas ordens ofensivas à soberania do Brasil.

O príncipe foi ao encontro do seu séquito e comunicou que ”as Cortes queriam massacrar o Brasil”. Arrancou então o tope de fita azul e branco de seu chapéu, jogando-o ao chão. E num ato solene, desembainhou a espada e bradou -“É tempo!… Independência ou Morte!… Estamos separados de Portugal”, grito que foi repetido pela guarda de honra.

Cavalgou em seguida para a pacata cidade de São Paulo, onde foi recebido pela população alvoraçada em festa com a notícia que já se antecipara. À noite, D. Pedro já ostentava a braçadeira com o dístico “Independência ou Morte” que passaria a compor os uniformes das tropas brasileiras. Por todo o País, o brado ecoou, e tudo que se fizera até ali tomou forma e sentido na nova nação soberana que se elevava.

Aquele dia foi de festa, como hoje é dia de festa, na brava, dinâmica e incansável São Paulo que nasceu na fé com o Colégio dos Jesuítas e foi forjada pela coragem dos Ramalho, Buenos e Tibiriçá e outros homens e mulheres de rija têmpera.

Felizes somos nós, cidadãos de um País que nasceu livre e desassombrado na procura de espaço e prosperidade, vocação cuja síntese está plasmada nesta cidade.

Viva São Paulo! Viva o Brasil!”
Compartilhe on Google Plus

Postado por MARIO

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia