Não há valor mais seguro para a economia espanhola do que suas empresas


A Espanha poderia estar imersa em uma situação em que a taxa de desemprego estrutural poderia subir para 18%.

A economia espanhola precisa promover e apostar em suas empresas. Confrontá-los, na conjuntura, é contraproducente para sair da pedra de tropeço em que nos encontramos. (Efe).

A descapitalização da economia espanhola é um fato. A crise do coronavírus (COVID-19), uma crise de duas magnitudes: saúde e economia, tornou-se uma barreira de contenção para atrair a atividade econômica em nosso país. Isso, adicionado a um ambiente geral de necessidades iminentes, causou retiradas nas cadeias de valor que prejudicam seriamente a indústria. O caso da Nissan, Mercedes ou Renault, é um exemplo claro disso.

Com a tempestade sanitária e sua dissipação, a economia está posicionada na galeria pública. Após a queda da maré, os nus foram expostos. Nua, entre as quais, a situação econômica de um país que, dada a situação que está ocorrendo, precisa reativar sua economia, bem como seu emprego, entre outras séries de indicadores que, diante do que aconteceu, refletem excesso de pessimismo. Indicadores que, como previsto pelo Banco da Espanha, mostrarão grandes desequilíbrios após a dissipação da tempestade.

Nesse sentido, estamos falando de uma taxa de desemprego, em primeiro lugar, que já prevê, quando tudo acontece, em 22%. No entanto, 22% dos quais devemos extrair os altos riscos de que grande parte disso, com 14% já iniciados, acabará se consolidando como desemprego estrutural. E é que, dada a possibilidade levantada de revogar aspectos fundamentais da reforma trabalhista, como a flexibilidade com que é dotada, bem como a aplicação de restrições mais prejudiciais nos regulamentos aplicados ao SMI, agregada a um ambiente no Como a destruição de empregos está polarizando em setores de baixa qualificação, a Espanha pode encontrar-se em uma situação na qual a taxa estrutural de desemprego pode subir para 18%.

Isso é muito preocupante, pois não temos a situação macroeconômica que o Banco da Espanha também prevê. Uma situação em que a política econômica do país, dados os desequilíbrios macroeconômicos que sua estrutura apresenta, é muito limitada em sua capacidade de aplicação. Bem, com uma dívida que deve aumentar acima dos limites inesperados, superior a 122%, e um déficit público que, com 2,8% já iniciando, planeja exceder o limite anedótico de 10%, atingindo níveis 11%, a Espanha é algemada a aplicar políticas anticíclicas que tentam estimular a economia; isso, adicionado a um ambiente em que a política econômica não exige apenas sua aplicação, mas uma aplicação mais intensa para que os efeitos sejam efetivos,

Dada a situação, a mais preocupante para a Espanha é uma situação em que, como vemos, as empresas começam a destruir a capacidade produtiva, aproximando os efeitos dessa crise da Grande Recessão de 2008; da mesma maneira que extinguem qualquer possibilidade de recuperação em "V", por mais remota que seja. Bem, em uma situação como a atual, as empresas estão adotando medidas que passam por segurança e incentivo. Que, dada a possibilidade de medidas contraproducentes serem aplicadas ao tecido produtivo, leva-os a optar por deixar o país, antes de serem submetidos a essas medidas em cenários em que a liquidez é escassa e qualquer movimento pode ter efeitos dimensionais, a priori , desconhecido.


A Espanha deve começar a entender que o caminho para a recuperação não passa por dificultar o terreno e confrontar o tecido produtivo. Proibir demissões não é o caminho que o país deve buscar, mesmo percebendo, a posteriori, essa medida apenas gera que a aversão do empregador espanhol - em uma economia em que, além disso, a aversão ao risco do empregador é muito alta, de acordo com a lei de Okun e o comportamento do mercado de trabalho espanhol - acaba tendo efeitos negativos na economia. Bem, não importa quanta proibição é imposta, não há proibição possível que impeça a falência das empresas e a fuga de capital. Vimos isso na Nissan, onde, apesar da barreira de 1 bilhão de dólares imposta pelo governo, as decisões da empresa japonesa têm precedência sobre as ameaças do governo.

É hora de estar do lado dos empresários, solicitar seu apoio para sair do recife. Não podemos criar uma dicotomia inexistente entre a recuperação da economia e a receita eleitoral. A campanha política e suas promessas devem ser relegadas a segundo plano, mesmo para os próprios eleitores; especialmente, sabendo que o país está enfrentando uma situação em que um quinto da população espanhola, contando com um terço da população em termos de juventude, poderia estar desempregado. Não há política ou renda vital mínima que possa sustentar uma situação semelhante a longo prazo.

Portanto, é hora de fornecer instalações para nossas empresas. Apostar na indústria, no turismo, nas PME. 99,9% da estrutura de negócios é composta por pequenas e médias empresas, com liquidez e recursos muito limitados. Devemos parar de tratá-los como se fossem multinacionais. Não é necessário espremer a galinha dos ovos de ouro, especialmente quando o desejo da política é cortar a cabeça dessa galinha para salvar sua pele. Bem, para terminar com a cabeça, a próxima cabeça a rolar será a da economia espanhola, já que nem a Europa apostará em um país em que as urnas prevalecem sobre a economia e o bem-estar geral da sociedade.
Quando começamos o PanAm Post para tentar trazer a verdade sobre a América Latina para o resto do mundo, sabíamos que seria um grande desafio. Mas fomos recompensados ​​pela incrível quantidade de suporte e feedback dos leitores que nos fizeram crescer e melhorar.
Faça parte da missão de espalhar a verdade! Ajude-nos a combater tentativas de silenciar vozes dissidentes e contribuir hoje.
PROMOVIDO
Compartilhe on Google Plus

Postado por MARIO PINHO

0 Comments:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia