Maduro desconfia de Cuba, agora sua guarda pessoal é iraniana.

"Maduro retirou todo o pessoal de seu primeiro anel de segurança, para substituí-lo por guarda-costas trazidos do Oriente Médio"

Nicolas Maduro ditador Venezuelano

A decisão de Maduro veio depois que o governo dos Estados Unidos anunciou recompensas milionárias em troca da captura dos principais líderes do Chavismo. (Efe)

Nicolás Maduro não confia mais em sua equipe de segurança formada por cidadãos cubanos. O tirano teria decidido mudar de guarda para oficiais de origem iraniana.

O jornalista venezuelano Casto Ocando relatou no portal First Report que Maduro não confia mais em seu círculo de segurança mais próximo e, por esse motivo, ele teria trocado de guarda-costas e dobrado o número.

"O ditador venezuelano dobrou os anéis de segurança para seis, antecipando possíveis incursões contra ele. Agora, ele removeu todo o pessoal de seu primeiro anel de segurança, para substituí-lo por guarda-costas trazidos do Oriente Médio ", disse Ocando.

Segundo o jornalista, a decisão de Maduro ocorreu depois que o governo dos Estados Unidos anunciou recompensas milionárias em troca da captura dos principais líderes do Chavismo, incluindo Diosdado Cabello e o próprio Maduro.

Ocando explica que "as estratégias de segurança do ditador são organizadas para impedir operações de captura lideradas por membros de seu ambiente, ou por oficiais ativos que tenham acesso ao Palácio de Miraflores ou que possam conhecer sua programação diária".

Por seu lado, Antonio Rivero, um general venezuelano no exílio, também afirmou que "o regime passou a incorporar o Irã em sua estratégia de defesa e sobrevivência". Ao novo círculo de segurança iraniano também seria adicionada a implementação de drones de vigilância e ataque, além de um sistema de radar guia.

Em fevereiro de 2019, foi confirmado que o círculo mais próximo de Maduro era cubano. Os repórteres da Univision observaram que vários dos seguranças de Maduro, que se dirigiam agressivamente a jornalistas, eram cubanos. Segundo os repórteres, os estrangeiros tinham entre 35 e 45 anos, enquanto os guardas venezuelanos eram muito jovens.

O regime iraniano decidiu ter uma maior participação na política e economia venezuelanas. Não apenas ele ajuda Maduro a se refugiar com guarda-costas, mas agora ele terá o controle das refinarias no país.

Irã na Venezuela

Uma reportagem do jornal espanhol ABC também revelou que, em um dos vôos da Companhia Aérea Iraniana, Mohsen Baharnavand, diretor do portfólio para a América Latina do Ministério das Relações Exteriores do Irã, chegou à Venezuela, acompanhado por 243 pessoas e material abundante. A procissão foi acompanhada por agentes do serviço de inteligência civil, do Serviço Nacional de Inteligência Bolivariano (Sebin) e da Direção Geral de Contrainteligência Militar (Dgcim).

Segundo o jornal espanhol, os "iranianos estão se preparando para assumir o controle do setor de hidrocarbonetos da Venezuela, que é completamente derrubado pelas sanções dos EUA.

Joseph Humire, especialista em segurança hemisférica e diretor executivo do Centro para uma Sociedade Livre e Segura, disse ao PanAm Post que o relacionamento entre os dois países é preocupante e garantiu que o Irã e a Venezuela pretendem provocar o governo dos Estados Unidos a escalar mais ações militares na região.

Humire relatou que o ministro chavista venezuelano de petróleo , Tareck El Aissami, acusado nos Estados Unidos de terrorismo e tráfico de drogas, é uma das "partes mais importantes e visíveis dessa relação".

De longa data Irã e Venezuela compartilham quente relações diplomáticas e um desdém mútuo para o Estados Unidos, que impôs várias sanções sobre suas economias.

A relação entre as duas Nações tem sido descrita como uma ameaça para os Estados Unidos, uma vez que o Regime do País Sul-Americano permitiu ao grupo terrorista iraniano Hezbollah usar o referido território como Base para expandir-se por toda a América Latina.

«Nos últimos anos, a Venezuela assinou um grande número de acordos com o Irã nos setores comercial, militar e industrial; e o que acontece é que grande parte desse comércio pode ser uma frente para a entrada das forças armadas iranianas ", afirmou Humire.

Os laços entre Venezuela e Irã vão muito além dos acordos bilaterais conhecidos entre os dois; interesses e cooperação com o regime de Maduro são realmente baseados em atividades ilegais.








Quando começamos o PanAm Post para tentar trazer a verdade sobre a América Latina para o resto do mundo, sabíamos que seria um grande desafio. Mas fomos recompensados ​​pela incrível quantidade de suporte e feedback dos leitores que nos fizeram crescer e melhorar.
Faça parte da missão de espalhar a verdade! Ajude-nos a combater tentativas de silenciar vozes dissidentes e contribuir hoje.

PROMOVIDO
Compartilhe on Google Plus

Postado por MARIO

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia