Comando Sul dos EUA: China usa pandemia para reescrever ORDEM MUNDIAL

Craig S. Faller (foto do Departamento de Polícia da Marinha Oficial de 1ª Classe Dominique A. Pineiro / Liberada)

"Rússia, China e Cuba estão trabalhando de dentro contra a democracia na Venezuela", disse o Almirante Craig Faller.

O Chefe do Comando Sul dos Estados Unidos (Southcom), Almirante Craig Faller, alertou nesta segunda-feira que países como China, Rússia e Irã estão buscando, no calor da pandemia do COVID-19, "reescrever a ordem mundial "através de" narco-ditaduras como a Venezuelana", em suas palavras.

"Temos que olhar para as tendências globais além dessa crise de saúde. A China está tentando reescrever a ordem mundial que permitiu que este Hemisfério prosperasse desde a Segunda Guerra Mundial".

Disse Faller durante seu discurso na quinta edição da Conferência de Segurança do Hemisfério, organizada pela Universidade Internacional da Flórida (FIU). .

A Conferência, realizada pela primeira vez virtualmente, reúne especialistas em geopolítica internacional com painelistas como o ex-presidente da Costa Rica Guillermo Solís, a alta comissária das Nações Unidas para os direitos humanos, Michelle Bachelet, ou a ex-embaixadora dos Estados Unidos em El Salvador Jean Manes.

Na Conferência inaugural, intitulada "Ameaças e Oportunidades nas Américas", o almirante explicou como durante a pandemia nos EUA está apoiando seus aliados pela "prosperidade econômica e democrática", com recursos superiores a US $ 65 milhões.

Faller alertou que em países como a Venezuela o impacto real do vírus é desconhecido, devido às "mentiras de Nicolás Maduro" e enfatizou que os EUA continua "procurando o caminho para uma transição democrática através da pressão econômica e diplomática".

Apesar de mais de cinquenta países terem reconhecido Juan Guaidó como legítimo presidente provisório da Venezuela, mais de um ano se passou desde sua eleição e esse alívio não ocorreu no país.

No momento, Faller indicou que "não houve mudança na estratégia a ser seguida" ou "nenhum progresso nesse assunto, mas que o Comando Sul está" muito consciente "da situação" para quando o governo legítimo for restaurado ".

"Rússia, China e Cuba estão trabalhando de dentro contra a democracia na Venezuela. Portanto, nossos esforços visam favorecer as condições para uma transição e, assim, podemos expulsar essas forças antidemocráticas", afirmou.

Por outro lado, o Comando Sul também está trabalhando com outras nações aliadas, como Colômbia ou Brasil, a fim de fortalecer "a liberdade" daqueles países que têm "jovens democracias e instituições" que podem ser suscetíveis à influência da corrupção e do narcoterrorismo.

Desde abril passado, uma série de operações conjuntas começou a encerrar as redes de entorpecentes na região do Caribe com a colaboração dos países vizinhos "para acabar com uma ameaça que foi muito antes da crise do coronavírus".

“Essa luta não começou em abril, mas está aberta há décadas. Temos que pressionar essas redes, trabalhando com nossos aliados para eliminar suas fontes de renda. No ano passado, 50% de nossas apreensões foram realizadas em conjunto com outros países ", acrescentou Faller.

Na última dessas operações, mais de 1.500 quilos de maconha foram recuperados em 2 de maio, a cerca de 24 quilômetros a nordeste de Navassa, uma ilha desabitada entre o Haiti e a Jamaica, onde três traficantes foram apanhados com a mercadoria a bordo de dois barcos. cerca de dez metros de comprimento.



Quando começamos o PanAm Post para tentar trazer a verdade sobre a América Latina para o resto do mundo, sabíamos que seria um grande desafio. Mas fomos recompensados ​​pela incrível quantidade de suporte e feedback dos leitores que nos fizeram crescer e melhorar.
Faça parte da missão de espalhar a verdade! Ajude-nos a combater tentativas de silenciar vozes dissidentes e contribuir hoje.

PROMOVIDO
Compartilhe on Google Plus

Postado por MARIO

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia