"Jovens Polacas", filme que retrata a história de escravas europeias no Brasil estreia nos cinemas

Longa sobre as escravas brancas europeias reúne no elenco Jacqueline Laurence, Emilio Orciollo Netto, Lorena Castanheira, Thierry Tremouroux, Berta Loran e Flavio Migliaccio - Foto: Divulgação

Estreia hoje nos cinemas o longa ‘Jovens Polacas’, sobre a impressionante história das jovens mulheres, judias e pobres, que no início do século passado eram trazidas do Leste Europeu para o Brasil sob a promessa de se casarem, mas, na verdade, eram exploradas como escravas sexuais. Renegadas pela própria comunidade judaica, elas foram obrigadas a construir sua própria sinagoga e seu próprio cemitério, em Inhaúma, conhecido como “Cemitério das Polacas”, onde o diretor carioca Alex Levy-Heller foi autorizado a rodar trechos do filme. O local, que ficou por anos abandonado, foi tombado pela Prefeitura do Rio e, hoje, é mantido pela sociedade comunal israelita.
O filme de ficção é livremente inspirado no livro homônimo de Esther Largman, lançado nos anos 90. Com produção da Afinal Filmes e distribuição da Pipa Produções, ‘Jovens Polacas’ tem lançamento nacional, mas seguintes praças: Rio de Janeiro, São Paulo, Santos, Vitória, Belo Horizonte, Brasília, Goiânia, Palmas, Curitiba, Londrina, Porto Alegre, Salvador, Maceió, Manaus.
Jovens Polacas’ se passa em dois tempos e o fio condutor é o resgate das memórias quase apagadas de Mira (Jacqueline Laurence), filha de uma “Polaca” que passou parte da primeira infância num Lupanar, vendo sua mãe e as outras mulheres – a quem chamava de tias – sendo exploradas sexualmente pelos cafetões. Nos dias atuais, o jornalista Ricardo (Emilio Orciollo Netto) está em busca de detalhes dessa história para sua tese de doutorado e, em conversas com Mira, ele aos poucos reconstitui o cotidiano de dificuldades destas mulheres, desde sua chegada até o fim de suas vidas. No elenco, também estão Berta Loran, Flavio Migliaccio e Lorena Castanheira.
Alex Levy-Heller traça de forma lúdica um retrato da vida à qual eram submetidas no Rio de Janeiro estas estrangeiras, obrigadas a se prostituir para sobreviver. Na época, eram conhecidas como ‘Polacas’ apesar de terem vindo de diversos países da Europa. “Minha intenção sempre foi retratá-las de forma poética. Para isso, busquei inspirações em pinturas, obras de arte e fotografias reais destas mulheres”, resume o diretor, Alex, que traz referências estéticas de artistas como Heny Asencio, Jan Saudek, Labasque, Matisse, entre outros.
Compartilhe on Google Plus

Postado por Jefferson Victor

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia