A rica gastronomia do Pará em tempo de Círio de Nazaré




Restaurante Lá em Casa (Foto: Rogério Almeida)
Com a restauração do antigo porto de Belém do Pará, surgiu a Estação das Docas, um complexo turístico construído nos galpões de ferro restaurados e onde hoje tudo acontece.
Cultura, moda, eventos e gastronomia. Mas um endereço de visita obrigatória é o Restaurante Lá em Casa.
Inaugurado em 1972, o estabelecimento mantém vivo o trabalho do Chef Paulo Martins, falecido em 2010 e considerado o Embaixador da Culinária Paraense, no Brasil e no exterior.
    Chef Paulo Martins (Foto: divulgação)

Hoje, o Lá em Casa é dirigido pela esposa de Paulo, Tania e as filhas Daniela  (que nos recebeu ) e Joanna Martins.

Tudo começou ainda com a mãe de Paulo, Dona Anna Maria Martins, que começou vendendo doces e salgados para a manutenção da família e passou seus conhecimentos para o filho e juntos decidiram abrir um pesqueno restaurante de cozinha regional.

No início funcionava no porão de casa, na Avenida Governador José Macher e quando as pessoas perguntavam onde era o restaurante e a resposta era imediata: "Lá em Casa".
E como todo negócio de qualidade, o restaurante começou a atrair a clientela ,até que no ano 2000 se instalou na Estação das Docas, e hoje é uma referência mundial para quem visita o local.

Com a bela vista da Baia do Guajará ao fundo, o restaurante abre diariamente oferecendo o melhor da cozinha paraense.

                  Bolinho de Piracui (Foto: Rogério Almeida)

Os nomes dos petiscos e pratos já dão água na boca, como o Petisco Mocorongo, um bolinho de Piracuí (Farinha de Peixe Acari frito, sem lactose). Seis unidades, custam R$ 28,90. Já o pastel de charque com Jambu, custa R$ 29,90, oito unidades. Tem ainda o queijo do Marajó chamuscado, um queijo cremoso, típico da ilha do Marajó, com geleia de pimenta de cheiro e manioca (R$ 34,90).
Quando você pensa que a entrada já é suficiente, você fica em dúvida em experimentar o bolinho de arroz com Aviú, um micro camarao de águdoce (R$29,90), o biscoito de farinha de tapioca flocada (R$ 19,90) e o Beiju Cica, um beiju crocante de farinha de mandioca com manteiga (R$12,90).
                     Chef Daniella Martins (Foto: Rogério Almeida)
Tudo numa linha de criação de Daniella Martins, 42 anos, especialista em cozinha amazônica paraense e Chef de Cozinha pelo ICIF Brasil e com cursos na Escola de Gastronomia de Aires Scavone e na Escola da Arte Culinária Laurent. E vice-presidente do Instituto Paulo Martins.

O Lá em Casa é um patrimônio da cultura gastronômica paraense, e quando você chega no prato principal, a escolha ainda fica mais difícil. Se a dúvida persiste, recomendo optar pelo buffet, que inclui uma seleção especial de saladas com pratos quentes e sobremesas à vontade. No sábado, o buffet custa R$ 68,00 e no domingo R$ 73,00.
                       Pato no Tucupi (Foto: Rogério Almeida)
Quando se trata da cozinha paraense, um dos pratos mais tradicionais é o pato no tucupi. Um pato assado e depois servido no tucupi com folhas de jambu, acompanhado de arroz branco e farinha d´água de mandioca. (Preço R$ 79,90).
O chef Paulo Martins, criou o seu própio prato e o denominou de "Pato do Imperador", um pato no tucupi desfiado, com arroz com jambu picado e farinha d´água e que pode ser pedido no Lá em Casa, no valor de R$ 59,90.
Outra pedida é a Maniçoba, folhas de mandioca (maniva) moídas e cozidas, com charque, lombo defumado, bucho, chouriço, paio, orelha, costela, pé e rabo de porco, servido com arroz (R$44,90).
Para quem come bem, recomendo o Menu Paraense, uma degustação de patinhas de caranguejo à milanes, caranguejo refogado, salada de feijão manteiguinha de Santarém, molho de cebola ao leite de coco, iscase farofa de pirarucu, maniçoba e pato no tucupi e, de sobremesa, sorvete de cumaru. (Preço por pessoa, R$ 79,90 e para duas pessoas, R$139,90.
                     Corridinho de Peixe (Foto: João Ramid)

Quem visita Belém do Pará sabe que o peixe é a grande especialidade. Quando vivo, o chef Paulo Martins criou uma deliciosa degustação com os melhores peixes da Amazônia. E denominou de Corridinho de Peixe. Estão lá, a Pescada amarela à milanesa, Pirarucu fresco na chapa, Picadinho de Tambaqui, Haddock Paranes e Filhote de Tucupi. Tudo acompanhado de arroz de jambu e feijão manteiquinha de Santarém. Para finalizar um sorvete de cumaru (R$ 84,90).

.



.




Em parceria com o Instituto Paulo Martins (IPM), uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, criada em 2012, com o objetivo de promover o estudo e a divulgação da gastronomia paraense e amazônica brasileira, o restaurante Lá em Casa, está divulgando e oferecendo para prova e degustação uma série de geleias com produtos típicos do Pará, como a Priprioca, Taperebá, entre outros, e que podem ser adquiridos no local.
                 Geleia de Priprioca (Foto: Rogério Almeida)

Um grupo de jornalistas de diversas partes do Brasil, integrantes de um Press Tour, organizado pela Abrajet Pará, com apoio da Secretaria de Turismo, Sebrae PA, Belém Tur, Comissão de Turismo e Esportes da Assembleia Legislativa do Pará (Dep. Paula Gomes), Prefeitura de Salinópolis e Círio de Nazaré, esteve visitando o Restaurante Lá em Casa e saíram maravilhados com o atendimento e a riqueza da culinária paraense.
    Jornalistas  Henrique Bois (MA), Christina Hayne (Presidente Abrajet Pará), Nilton Guedes (vice presidente da Abrajet Nacional (PA), Chef Daniela Martins, Gutemberg Bogéa (MA) e Rogério Almeida (PB).




Compartilhe on Google Plus

Postado por Rogerio Almeida

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia