A casa do Rio Vermelho de Jorge Amado e Zélia Gattai


                 Casa do Rio Vermelho de Jorge Amado e Zélia Gattai
Foto:Rogério Almeida


O Rio Vermelho é hoje um dos bairros boêmios de Salvador, mas há 40 anos atrás quando Jorge Amado caminhava pelo bairro e se deparou com a casa rosa do numero 33 da Rua Alagoinhas se apaixonou e resolveu alugá-la.
                      Daniela Mercury, Jorge Amado e Margareth Menezes

Aqui ele viveu seus melhores anos ao lado de Zélia Gattai, e onde recebeu e hospedou celebridades como Daniela Mercury, Margareth Menezes, Saramago, João Gilberto, Carybé, João Ubaldo, Glauber Rocha, Pierre Verger, Pablo Neruda, Tom Jobim, Roman Polanski, Jean Paul Sartre, entre outros.


          Sala de estar onde Jorge Amado recebia os amigos e hóspedes famosos
                                                    Foto: Rogério Almeida 

Hoje a casa que ainda pertence à familia do escritor virou museu e preserva os móveis, as coleções de sapo, os quadros, poltronas e premios.
                             Coleção de sapos de Jorge Amado 
                                                    Foto: Rogério Almeida 

A Casa ficou fechada em 2003, quando Zélia Gattai se mudou e ficou fechada até 2014, quando a Prefeitura de Salvador apresentou um projeto para transformá-la em Memorial.
                        Sereia de Carybé na casa de Jorge Amado 
                                                    Foto: Rogério Almeida

Desde então foi assinado um termo de cessão por 10 anos. Ao visitar o local,  me encontro com a neta do escritor Maria João Amado, que como gestora do museu me conta que houve pouca interferência no local, sendo uma delas a instalação de um elevador devido a exigência de acessibilidade para todos.


             
                                                    Quarto de hóspede, onde ficou Saramago 
                                                                     Foto: Rogério Almeida

Segundo a filha do escritor Paloma Amado, doze anos depois de iniciar a luta para se criar um Memorial a Jorge Amado, a Casa do Rio Vermelho é uma realidade e um sonho muito desejado pelo seu pai e Zélia Gattai.


                                                Sala de leitura
                                                                     Foto: Rogério Almeida

                                            Camisas coloridas de Jorge Amado
                                                                     Foto: Rogério Almeida

Embora tenha nascido em Itabuna, no sul da Bahia, sua casa favorita era a de Rio Vermelho. Em 60 anos de carreira, Jorge Amado, escreveu 37 livros, publicados em mais de 50 países e chegou a ser cotado para receber o Prêmio Nobel de Literatura.


Maria João Amado me confessa que seu avô não acreditava que fosse receber o Premio Nobel, porque na época havia muitos de seus colegas que competiam ao mesmo nível.


                                      Memorial ao Candomblé
                                                         Foto: Rogério Almeida

Amante do candomblé, Jorge se intitulava como filho de Oxóssi e no quintal de sua casa existe hoje um memorial a este orixá.
                               Jorge Amado e Zélia Gattai e os filhos do casal João e Paloma
                                                         Foto: Rogério Almeida

Jorge e Zelia Gattai sobrevivem pelos dois filhos do casal Paloma e João e netos. 


                                       Vestido de Zélia Gattai 
                                                          Foto: Rogério Almeida




    Quarto de Zélia Gattai e Jorge Amado num cenário do arquiteto e cenógrafo Gringo Cardia
                                                          Foto: Xico Diniz

Quem visita a casa encontra tudo como estava no periodo em que o casal estava vivo. 
                      Carta de agradecimento de Yoko Ono Lennon à Jorge Amado
                                                         Foto: Rogério Almeida



 Escrivaninha com as correpondências de Jorge Amado para amigos famosos do mundo inteiro
                                                         Foto: Rogério Almeida

Destaque para a sala de troca de correspondências, sendo uma das mais interessantes a de agradecimento de Yoko Ono Lennon. Mas existem também as cartas que recebeu e escreveu para  Carlos Drummond de Andrade, Dorival Caymmi, Erico Veríssimo, entre outros.

Jorge Amado esteve exilado e passou 19 anos residindo no exterior em países como a Rússia,Polonia, França, Chile, Argentina e Uruguai. Foi preso 11 vezes,  na maioria das vezes devido sua afinidade com o partido comunista.


               Na cozinha a homenagem à Dadá, a cozinheira favorita de Jorge Amado.  
                                                         Foto: Rogério Almeida

A cozinha,embora não tenha gostada porque tem muitas frutas de plástico, apresenta vídeo de Dadá, a cozinheira preferida da casal, a sala de leitura, a biblioteca, a coleção de camisas coloridas de Jorge, o quarto onde dormia Dona Lalu, mãe de Jorge, e depois os netos do casal,  e até o laboratório fotográfico de Zélia. Está tudo aqui.


Bibioteca de Jorge Amado
                                                             Foto: Rogério Almeida




Coleção de bonecas de Zélia Gattai com os nomes dos filhos e netos do casal 
                                                             Foto: Rogério Almeida
Muito interessante a coleção de bonecas com nomes dos filhos e netos do casal e o quarto com os souvenirs dos 110 países que o casal conheceu e até a maquina de escrever, apesar do escritor ser péssimo em datilografia.


Máquina de datilografia e objetos de Jorge Amado 
                                                             Foto: Valter Pontes


     Entre os bancos onde sentavam o casal estão as cinzas de Jorge Amado e Zélia Gattai
                                                             Foto: Rogério Almeida

Jorge morreu  em 2001 aos 88 anos e suas cinzas foram colocadas no quintal embaixo do banco onde costumava conversar. 


       Belas orquídeas e diversas flores e plantas ornamentam o jardim e  quintal 
                                                             Foto: Rogério Almeida

Zélia,sua segunda mulher, a primeira foi Matilde Garcia Rosa,  nasceu em São Paulo, em 1916 e morreu sete  anos depois que Jorge e agora suas cinzas também foram unidas às do marido. Belas orquídeas enfeitam o local de paz e que foi muito representativo para o casal.  


                A arte de Gustavo Moura retrata Jorge Amado na entrada da casa
                                                             Foto: Rogério Almeida


                                 Os jardins da Casa do Rio Vermelho
                                                             Foto: Xico Diniz


A Casa do Rio Vermelho, totalmente reformada e com um toque de design de Gringo Cardia, é um sonho e está aberta desde 2014 e pode ser visitado por todos.


                                      Foto: Rogério Almeida

Serviço:
A Casa do Rio Vermelho
Jorge Amado e Zélia Gattai
Rua Alagoinhas, 33- Rio Vermelho/ Salvador/Bahia
CEP: 41940-620
Entrada: R$ 20,00 (e R$ 10 para estudante)
Grátis às quartas feiras
www.casadoriovermelho.com.br

Compartilhe on Google Plus

Postado por Rogerio Almeida

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia