Diesel vai custar R$ 2,0316 nas refinarias até o fim de julho

(Foto: Google / Divulgação)
O governo federal informou nesta quinta-feira (31) que a redução de subsídios e cancelamento de gastos públicos tem por objetivo assegurar um preço fixo do diesel de R$ 2,0316 por litro nas refinarias até o fim de julho. 

O impacto das medidas ocorre a partir de hoje, informou o Ministério da Fazenda. Esse não será, porém, o preço praticado nas bombas de combustíveis. Isso porque, em cima desse valor de comercialização do diesel por litro nas refinarias, também existe o custo da distribuição e a margem de lucro tanto dos distribuidores quanto dos postos de combustíveis. 

 As medidas que permitirão essa redução foram publicadas nesta quinta-feira no "Diário Oficial da União" e detalhadas nesta quinta em entrevista coletiva no Ministério da Fazenda por Jorge Rachid, secretário da Receita Federal; Marcos Mendes, assessor especial do ministério; Gleisson Rubin, secretário de Gestão do Ministério do Planejamento; e George Soares, secretário de Orçamento Federal do Ministério do Planejamento. 

Atualmente, a Petrobras recebe R$ 2,1016 pelo litro do produto. De acordo com o Ministério da Fazenda, haverá um abatimento de R$ 0,07 por litro ao diesel até 7 de junho e de R$ 0,30 por litro daí em diante, o que permitirá o preço, ao distribuidor, de R$ 2,0316 por litro por até dois meses. Para vender o produto pelo preço fixado, a estatal receberá uma "subvenção" por litro do diesel. A partir de agosto, o preço passará a oscilar mensalmente, de acordo com a variação do preço do petróleo no mercado internacional e do dólar – fatores considerados pela Petrobras na definição do preço do diesel. O desconto de R$ 0,30, entretanto, permanece até o fim deste ano. 

A variação, de agosto em diante, se dará em cima do preço de comercialização, de R$ 2,0316 por litro. De acordo com o assessor especial do Ministério da Fazenda, Marcos Mendes, o governo não tem como assegurar que esse preço será repassado aos consumidores. Acrescentou, porém, que os órgãos de regulação da concorrência e de proteção ao consumidor atuarão para que isso aconteça. 

"Existem vários órgãos de regulação da concorrência de proteção ao consumidor, como Procon, Cade [Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência], ANP [Agência Nacional do Petróleo]. Cada um tem de exercer seu papel de forma a cada um trabalhar em seu segmento de especialização. O que cabe ao Ministério da Fazenda é atuar na questão tributrária e da subvenção", declarou Mendes a jornalistas.
Compartilhe on Google Plus

Postado por Jefferson Victor

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia