O “Netflix” dos carros já começou, e tem tudo para virar tendência


Divulgação

Netflix automotivo: nos EUA, aplicativos de fabricantes como a Cadillac permitem escolher modelos de carros sob demanda.

BMW, Porsche e Cadillac oferecem programas-piloto de assinatura para usar modelos por aplicativo

Nashville, no estado norte-americano do Tennessee, foi a cidade escolhida pela BMW para um programa-piloto que pode mudar a forma de se encarar o automóvel, pelo menos em termos de propriedade. Por uma mensalidade de US$ 2 mil, o cliente pode ficar com vários carros da marca à sua escolha, como o SUV X5 ou o sedã de luxo Série 5, como se fosse uma espécie de "Nexflix" automotivo.

O assinante usa tipos diferentes de carro em cada ocasião, sempre tendo um carro da marca à disposição. E essa mensalidade já inclui seguro, manutenção e eventual serviço de resgate. Em resumo, um verdadeiro “ Netflix ” automotivo, no qual o cliente escolhe o modelo num amplo cardápio de opções, e usa conforme a sua demanda.


Na coluna do dia 29 de novembro, AutoBuzz já alertava para essa tendência de customização do uso do carro, em substituição à customização do próprio carro. O teste da BMW em Nashville será um laboratório para medir a satisfação dos clientes, a logística do novo modelo de negócio e a viabilidade desse serviço de carros por assinatura.
Divulgação

BMW oferece o chamado "Plano M", que permite usufruir dos modelos esportivos da marca alemã

Se o cliente tiver um espírito mais esportivo, ele poderá assinar o “Plano M”, que dá direito a usufruir de todos os carros da divisão esportiva M (Motorsport) da BMW. Incluindo o sofisticado e pouco acessível M6 Gran Coupe, ou ainda as versões M conversíveis. O custo? US$ 3.700 por mês. Inicialmente só esses dois planos serão oferecidos, mas a BMW já estuda um pacote ainda mais acessível, com acesso apenas aos modelos das Séries 1, 2 e 3.

A mensalidade ainda é mais cara do que o leasing mensal, forma de comércio de carros mais utilizada nos EUA. Mas nesse caso, não é preciso pagar a alta taxa de adesão, e o cliente pode ficar variando de carros por meio de um aplicativo no smartphone. A BMW arca com os custos do programa e da depreciação do veículo, enquanto as concessionárias da cidade cuidam da manutenção, limpeza e entrega dos carros. Se for um sucesso, será expandido para outras cidades americanas e outros países.

A experiência da BMW é muito próxima do conceito “sob demanda” consagrado por empresas como Netflix (filmes, séries, desenhos e documentários), Spotify e Deezer (música) e tantos outros que fazem sucesso no mundo digital. Mas não é o primeiro programa do tipo no mundo automotivo. A Porsche lançou em outubro passado, também nos EUA, o programa Porsche Passport, de assinatura de SUVs e carros esportivos. Ele oferece aos membros acesso flexível aos veículos da Porsche por meio de um aplicativo.

Esportivos no cardápio

Divulgação

A Porsche também oferece um programa de assinatura de SUVs e esportivos para clientes cadastrados

O Passport oferece trocas frequentes de veículos, quilometragem irrestrita e acesso sob demanda. A cidade escolhida para o plano piloto é Atlanta, sede da marca nos EUA, e também de sua parceira na iniciativa, a Clutch Technologies. São dois os planos de assinatura. O “Launch” dá acesso a oito modelos, como o 718 Boxster e Cayman S, além do Macan S e Cayenne, por uma taxa mensal de US$ 2.000.

Já o “Accelerate” permite usar 22 modelos, como o Porsche 911 Carrera S, o sedã esportivo Panamera 4S, os SUVs Macan GTS e Cayenne S E-Hybrid, por uma taxa mensal de US$ 3.000. Mas a pioneira nessa ação foi a Cadillac, divisão de luxo da GM, com o programa Book by Cadillac, lançado há pouco mais de um ano. Nele, os assinantes podem alternar entre os veículos da marca, que são entregues e recolhidos por concierges com luvas brancas. A taxa mensal de US$ 1.500 cobre registro, impostos, seguro, custos de manutenção e quilometragem ilimitada. Por enquanto, só está disponível em Nova York.

Divulgação

Aplicativo da Porsche dá acesso a um serviço personalizado e mais premium que o Uber

São experiências com grande chance de sucesso, e que podem passar a ser adotadas por marcas generalistas. As montadoras sabem que a noção de propriedade de automóveis está ameaçada pelo aumento das opções de mobilidade urbana. Muitas delas já se assumem como empresas de soluções de mobilidade, não mais como meros fabricantes e distribuidores de carros.

Os serviços de assinatura por aplicativos, como se fosse um " Netflix " automotivo podem ser uma solução para clientes que buscam uma experiência mais personalizada e premium do que aplicativos como Uber ou os de compartilhamento de veículos. O mundo da mobilidade tende a ser cada vez mais versátil e cheio de alternativas, e isso não tem mais volta.

Por Glauco Lucena 


Compartilhe on Google Plus

Escrito por Mario Pinho

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia