Consumo de álcool eleva risco de câncer, revela estudo


Estudo publicado na "Nature" nesta quarta-feira (3) detalha com testes em cobaias como o álcool aumenta o risco do câncer. Pesquisadores demonstraram que um subproduto da bebida alcoólica, o acetaldeído, provoca danos permanentes ao DNA de células-tronco no sangue. O risco aumentado do consumo de álcool para o câncer é conhecido. 

O Inca (Instituto Nacional do Câncer) relaciona o consumo com maior chance de câncer de boca, faringe, laringe, esôfago, estômago, fígado, intestino (cólon e reto) e mama (pré e pós-menopausa). A diferença com a pesquisa agora é que esse risco foi analisado com detalhes no metabolismo de cobaias -- um avanço em relação a estudos populacionais que chamam a atenção para a relação entre álcool e câncer, mas não explicam como exatamente ela ocorre. 

Assim, para tentar explicar a relação, pesquisadores do Laboratório de Biologia Molecular da Universidade de Cambridge fizeram análise de cromossomo e sequenciamento de DNA em cobaias que receberam altas doses de álcool. Com os testes, eles conseguiram observar que o acetaldeído (um subproduto da metabolização do álcool) danifica células-tronco do sangue. A substância "quebra" o DNA dessas células e leva cromossomos a se rearranjarem de forma aleatória. 

O achado é particularmente importante porque os pesquisadores observaram o dano em células-tronco -- como elas têm maior capacidade de se multiplicar e de se diferenciar em diferentes tecidos, mutações nessas estruturas são cruciais para o desenvolvimento de tumores. Defesa insuficiente O estudo também demonstrou como o organismo das cobaias tentou se proteger contra esses danos ao DNA causados ​​pelo álcool. 

Cientistas observaram que enzimas chamadas de "aldeído desidrogenases (ALDH)" tentam transformar a bebida em fonte de energia, como se elas fossem um alimento. No entanto, há pessoas que não possuem essas enzimas ou elas não funcionam corretamente. Assim, quando esses indivíduos bebem, o acetaldeído se acumula, o que aumenta a chance de danos ao material genético.  

A condição é mais comum no sudeste asiático, região que possui mais indivíduos com deficiência na produção da ALDH. Em testes, pesquisadores observaram que o dano ao DNA chega a ser quatro vezes maior quando a substância está ausente. Também, segundo a pesquisa, a depender da quantidade ingerida, o acetaldeído nem sempre é eliminado totalmente -- independente se temos ou não a enzima para metabolizá-lo.
Compartilhe on Google Plus

Escrito por Equipe Redação

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia