“Agora, É Avançar” investe mais de R$ 3 bilhões em 348 obras que estavam paralisadas em Pernambuco

                                                                    FOTO; O GLOBO


O Programa “Agora, é Avançar”, lançado pelo governo federal com o  o objetivo de concluir 7.439 obras que estão paralisadas em todo o país selecionou em Pernambuco, 348 obras a serem concluídas. 

Com investimento de R$ 3,2 bilhões, estão previstas conclusões de creches, escolas, moradias, unidades básicas de saúde, quadras poliesportivas e cidades digitais. Estão previstas ainda obras de contenção de encostas, esgotamento sanitário, saneamento, urbanização, restauração e abastecimento de água.

Em todo o país, são diversas obras presentes em mais de 3 mil municípios brasileiros, que envolvem desde a conclusão de creches e unidades básicas de saúde até a finalização de hidrovias.  O Nordeste terá o maior número de obras: 3.186, com investimentos de R$ 19 bilhões. Todas as regiões do Brasil serão beneficiadas.

Dois critérios foram levados em consideração: a garantia de que as obras terão recursos financeiros necessários para serem concluídas; e o compromisso de que serão entregues até dezembro de 2018. O resultado trará melhorias de vida ao cidadão, promoverá o dinamismo à economia e evitará o desperdício de recursos públicos.

São três fontes de recursos: R$ 42,1 bilhões do orçamento geral da União; R$ 29,9 bilhões da Caixa Econômica Federal, do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social); R$ 58,9 bilhões de empresas estatais do setor de energia, em especial a Petrobras.

O “Agora, é Avançar” é um programa integrado de mais 11 ministérios: Cidades; Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações; Cultura; Defesa; Educação; Esporte; Integração Nacional; Minas e Energia; Saúde; Transportes, Portos e Aviação Civil; e Turismo.

Mais detalhes no site www.avancar.gov.br, onde é possível acompanhar a evolução das obras. 
Compartilhe on Google Plus

Escrito por Rogerio Almeida

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia