Deputado federal Herculano Passos defende legalização dos cassinos e é contra plebiscito

Cassinos irão gerar receita nova para o Brasil, diz Herculano.

Com o tema “Onde estamos agora? O Porquê, Quando e Como do Processo de Legalização de Jogos”, o Brazilian Gaming Congress deste ano atraiu mais de 250 pessoas, em seu primeiro dia de evento.

O deputado federal Herculano Passos (PSD/SP) foi um dos convidados no painel que discutiu os benefícios da liberação dos jogos de azar. O parlamentar tem levantado a bandeira da legalização como uma forma de gerar emprego, renda e receitas para o país. “Será um novo setor que contribuirá para a retomada da economia brasileira. Embora proibidos há mais de 70 anos, os jogos nunca deixaram de existir e assim, de forma clandestina, o Estado deixou de arrecadar, ao longo destas sete décadas, mais de R$ 400 bilhões em tributos”, lamentou Herculano.

Os jogos oficiais permitidos no Brasil, como os da Loteria Federal e o Turfe movimentam R$ 8 bilhões por ano. No entanto, especialistas calculam que só o jogo do bicho, o mais popular no país, movimente ilegalmente R$ 12 bilhões. Atualmente, estimasse que existam 350 mil pontos de jogo do bicho, contra 13 mil agências lotéricas.

Durante o Congresso, Herculano, que preside a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Turismo no Congresso Nacional, defendeu a legalização dos cassinos, como forma de incrementar o setor. "Ela é importante para fortalecer o turismo interno e aumentar o número de visitantes internacionais em nosso país.” Segundo ele, ainda existe uma parcela dos deputados que são contrários, especialmente da bancada evangélica. "Mas eles são minoria e não deverão ter força suficiente para impedir o avanço do projeto que está sendo analisado na Câmara. Essa é uma inovação que trará desenvolvimento econômico para o Brasil”, finalizou.

No Senado, também tramita um projeto que prevê a legalização dos jogos de azar no Brasil. Ambos estão em fase final de análise, mas, em razão da crise política pela qual o país passa, suas tramitações estão paradas.

Outro convidado para o painel foi o deputado federal Roberto de Lucena, que é contrário à legalização dos jogos. Ele defendeu a realização de um plebiscito para que a população vote se é contra ou a favor. Herculano é contrário à proposta. "A área social no país precisa ser ajudada agora e o jogo legalizado irá aportar os recursos necessário. Não podemos esperar e deixar que o jogo ilegal continue prosperando enquanto a sociedade precisa de arrecadação”.

Ao final, Passos, afirmou que tanto o presidente da Câmara quanto o do Senado irão levar à votação os projetos em discussão. "Hoje não acredito que haja possibilidade de se partir para um plebiscito, pois os parlamentares já estão inclinados a partir para a votação. E nos parece que essa votação será amplamente favorável à regulamentação do setor de jogos”, atestou, destacando que o debate já foi feito e que agora é hora de votar a legalização dos jogos no âmbito do Legislativo.
Compartilhe on Google Plus

Escrito por Mario Pinho

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia