Fundador da Gol é condenado a 16 anos de prisão por homicídio de líder comunitário

Nenê Vasconcelos, de 86 anos, poderá recorrer em liberdade; crime teria sido motivado por disputa de terreno.


Nenê Constantino foi condenado por homicídio qualificado e corrupção de testemunha Foto: Dida Sampaio/Estadão

O Estado de S.Paulo

TAGUATINGA - O Tribunal do Júri de Taguatinga, no Distrito Federal, condenou a 16 anos e seis meses de prisão o empresário Constantino de Oliveira, de 86 anos, pelo assassinato do líder comunitário Márcio Leonardo de Sousa Brito, de 27 anos, em 12 de outubro de 2001. O julgamento foi encerrado à 1h30 desta sexta-feira, 12. As informações são da Agência Brasil.

Conhecido como Nenê Constantino, o empresário é um dos fundadores da empresa aérea Gol e foi pioneiro no ramo de transporte rodoviário. Além da pena, por homicídio qualificado e corrupção de testemunha, ele também deverá pagar uma multa de R$ 84 mil.

Além dele, o dono da arma utilizado no assassinato, João Alcides Miranda, foi condenado a 17 anos e seis meses de prisão e 12 dias-multa pelos mesmos crimes. Já Vanderlei Batista deve cumprir 13 anos de prisão por homicídio qualificado e João Marques, ex-funcionário de Constantino, 15 anos por homicídio qualificado. Todos foram condenados ao regime fechado, mas poderão recorrer da decisão em liberdade. O empresário Victor Bethonico Foresti, acusado de corrupção de testemunha, foi absolvido pelo júri.
Compartilhe on Google Plus

Escrito por Mario Pinho

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia