Promotoria da Espanha pediu hoje ao tribunal para julgar o caso Neymar




     
O jogador Neymar e seu pai Neymar da Silva Santos quando saíam do tribunal em julho passado (Foto: Divulgação)
A Audiência Nacional (principal instância penal espanhola) através da Promotoria pediu hoje (7) ao tribunal para que seja julgado o jogador Neymar, os seus pais, Neymar e Nadine dos Santos,  Sandro Rosell e os times Barcelona e Santos Futebol Clube por crime de fraude e corrupção. 
Os indiciados teriam alterado o preço da transferência do jogador para o Barcelona, algo que o fundo DIS discorda. 
Em julho último (FOTO) o pai do craque, ex- mecânico e seu empresário atual Neymar da Silva Santos  havia comparecido à Audiência Nacional na Espanha junto com o jogador, mas o caso havia sido arquivado.
A expectativa agora é que tanto o jogador quanto seu pai Neymar e sua mãe Nadine deverão voltar à Audiência Nacional e explicar o acordo firmado entre Barcelona e Neymar que pode ter transgredido as regras do livre mercado de contratação de jogadores.

O caso teve início com uma denúncia do fundo DIS, proprietário de 40% dos direitos do atacante no momento da transferência de Neymar ao Barcelona, que se considerou prejudicado pela operação.
Em um primeiro momento, o Barça anunciou oficialmente a contratação de Neymar por €57,1 milhões (€40 milhões para a família de Neymar e €17,1 milhões para o Santos), mas a justiça espanhola calcula que a transação foi de pelo menos € 83,3 milhões.

O DIS, que recebeu €6,8 milhões dos €17,1 milhões correspondentes ao Santos, se considera prejudicado duas vezes: por não ter recebido sua parte pelo valor real da transferência e por um contrato de exclusividade entre o Barça e Neymar assinado em 2011, o que impediu outros clubes de entrar na disputa pela contratação do brasileiro. 





Exibir foto
.
  jogador  Neymar (Foto: Getty Images)
Em um primeiro momento, o juiz da Corte Nacional, José de la Mata, arquivou o caso, mas agora o processo foi retomado e todos os acusados serão processados novamente. 
Dono de 40% dos direitos do jogador, a empresa DIS, se considera prejudicada na transferência. O grupo acredita que devia ter recebido mais dinheiro quando o craque foi comprado pelo Barcelona em 2013, recebeu 40% de 17,1 milhões (6,84 milhões de euros). A Justiça acredita que o valor ultrapassou 83 milhões de euros.
Compartilhe on Google Plus

Postado por Rogerio Almeida

0 comentários:

Postar um comentário

Adicione seu comentário sobre a notícia